(11) 3832-6401 | Whatsapp: (11) 9 7480-8270 | contato@bsresidencial.com.br

Seu DNA pode prever mais sobre você do que a sua aparência. De acordo com a teoria genética do envelhecimento, seus genes (assim como mutações nesses genes) são responsáveis ​​por quanto tempo você viverá. Aqui está o que você deve saber sobre genes e longevidade, e onde a genética se encaixa entre as várias teorias do envelhecimento.

TEORIA GENÉTICA DO ENVELHECIMENTO

 A teoria genética do envelhecimento afirma que o tempo de vida é em grande parte determinado pelos genes que herdamos. De acordo com a teoria, nossa longevidade é determinada principalmente no momento da concepção e depende em grande parte de nossos pais e seus genes.

A base por trás dessa teoria é que os segmentos de DNA que ocorrem no final dos cromossomos, chamados de telômeros , determinam o tempo de vida máximo de uma célula. Os telômeros são pedaços de DNA “lixo” no final dos cromossomos, que se tornam mais curtos a cada vez que uma célula se divide. Esses telômeros se tornam cada vez mais curtos e, eventualmente, as células não podem se dividir sem perder partes importantes do DNA.

Antes de aprofundar os princípios de como a genética afeta o envelhecimento e os argumentos a favor e contra essa teoria, é útil discutir brevemente as categorias primárias das teorias do envelhecimento e algumas das teorias específicas nessas categorias. No momento atual, não há uma teoria ou mesmo uma categoria de teorias que possa explicar tudo o que observamos no processo de envelhecimento.

TEORIA DO ENVELHECIMENTO

Existem duas categorias principais de teorias do envelhecimento que diferem fundamentalmente no que pode ser referido como o “propósito” do envelhecimento.

Na primeira categoria, o envelhecimento é essencialmente um acidente; um acúmulo de danos e desgaste para o corpo que eventualmente leva à morte.

Em contraste, teorias de envelhecimento programadas vêem o envelhecimento como um processo intencional, controlado de uma maneira que pode ser comparado a outras fases da vida, como a puberdade.

O QUE VOCÊ PODE FAZER PARA REDUZIR O ENVELHECIMENTO “GENÉTICO” DE SUAS CÉLULAS ?

Somos ensinados a comer uma dieta saudável e sermos ativos, e esses fatores de estilo de vida provavelmente são tão importantes, não importa o quanto nossa genética esteja envolvida no envelhecimento. As mesmas práticas que parecem manter os órgãos e tecidos saudáveis ​​também podem manter nossos genes e cromossomos saudáveis.

Independentemente das causas específicas do envelhecimento, pode fazer a diferença para:

1 – Exercício – Estudos descobriram que a atividade física não apenas ajuda o coração e o pulmão a funcionar bem, mas o exercício prolonga os telômeros.

2 – Faça uma dieta saudável – Uma dieta rica em frutas e vegetais está associada a uma maior atividade da telomerase (na verdade, menos encurtamento dos telômeros em suas células).

Uma dieta rica em ácidos graxos ômega-3 está associada a telômeros mais longos, mas uma dieta rica em ácidos graxos ômega-6 é o oposto e está associada a telômeros mais curtos. Além disso, o consumo de refrigerante está ligado a telômeros mais curtos. O reservatrol, o ingrediente responsável pela excitação ao beber vinho tinto (mas também encontrado no suco de uva vermelha não alcoólica) parece ativar a proteína da longevidade SIRT.

3 – Reduzir o estresse

4 – Evite agentes cancerígenos

5 – Manter um peso saudável – A obesidade não só está associada a alguns dos mecanismos genéticos associados ao envelhecimento mencionados acima (como o aumento do encurtamento dos telômeros), mas estudos repetidos encontraram benefícios de longevidade associados à restrição calórica.