(11) 3832-6401 | Whatsapp: (11) 9 9898-5120 | contato@bsresidencial.com.br

Conheça o poder inapagável da memória musical e das conexões cerebrais através de atividades artísticas para a melhor idade

A memória musical pode depender de sistemas de memória distintos e dependentes de tarefas. Foi demonstrado que a memória para música pode ser gravemente danificada, enquanto outros sistemas de memória permanecem praticamente inalterados.

Por outro lado, a memória musical mostrou-se preservada em pacientes severamente amnésicos com vastas lesões do lobo temporal medial direito, do lobo temporal esquerdo e de partes do córtex frontal e insular esquerdo, com achados semelhantes em pacientes com dano bilateral no lobo temporal.

Isso sugere fortemente que a rede que codifica a memória musical é pelo menos parcialmente independente de outros sistemas de memória. Curiosamente, foi demonstrado que diferentes aspectos da memória musical podem permanecer intactos, enquanto a anatomia do cérebro e as funções cognitivas correspondentes são massivamente prejudicadas.

A memória musical também parece representar um caso especial na doença de Alzheimer, na medida em que é surpreendentemente bem preservada. Especialmente a memória musical implícita, que pode ser poupada até os estágios muito tardios da doença.

Como essas descobertas são derivadas principalmente de estudos de caso, não está claro sob quais circunstâncias esse aspecto da memória musical é preservado. Propuseram, de fato, que essa memória preservada para a música pode ser devida ao funcionamento intacto de regiões do cérebro que são relativamente poupadas na doença de Alzheimer.

Desafie sua mente de uma maneira que seja importante para você.

O estudo envolveu atividades cognitivas como artesanato, leitura, socialização, trabalho com computadores e tocar música. Não existe uma atividade que sirva para todos e que atividades mentais são melhores para você é algo que só você pode responder.

Engajar-se em “atividades significativas” estimula seu sistema neurológico, contraria os efeitos de doenças relacionadas ao estresse, reduz o risco de demência e melhora a saúde e o bem-estar.

No entanto, um fator-chave necessário para melhorar sua função cerebral ou reverter o declínio funcional é a seriedade do propósito com o qual você se envolve em uma tarefa. Em outras palavras, a tarefa não deve ser realizada sem pensar, mas deve ser significativa ou interessante para você – ela deve prender sua atenção.

Por exemplo, um estudo revelou que atividades artesanais, como quilting e tricô, estavam associadas à diminuição da chance de ter comprometimento cognitivo leve. 10 Outro estudo, publicado no início deste ano, descobriu que participar de atividades “cognitivamente exigentes”, como aprender a fazer edredons ou tirar fotografia digital, melhora a função da memória em adultos mais velhos.

A chave é encontrar uma atividade mentalmente estimulante para você. Idealmente, isso deve ser algo que exige atenção total e lhe dê uma grande satisfação. Deve ser uma atividade que você está ansioso para fazer, como tocar um instrumento musical, jardinagem, construir coisas, criar e muitos outras atividades.