(11) 3832-6401 | Whatsapp: (11) 9 7480-8270 | contato@bsresidencial.com.br

Entenda quando e porquê você deve fazer um check-up cardiovascular para manter-se sempre saudável

No entanto, pergunte a um adulto quando a triagem de saúde do coração deve começar, e a maioria não tem certeza da resposta. De fato, um recente estudo nacional descobriu que apenas 8% das mulheres sabem a idade em que esses testes devem começar, com a maioria acreditando que 10 anos mais tarde do que quando os médicos recomendam.

Não importa a condição, a maioria dos pacientes percebe que a detecção precoce e o tratamento são fundamentais para manter a saúde e o melhor prognóstico possível a longo prazo. Esta é precisamente a razão pela qual as colonoscopia são recomendadas aos 50 anos e que muitas realizam suas próprias verificações de pele e auto- exames de mama a cada mês. É uma medida pequena, mas que pode salvar vidas.

A boa notícia é que as triagens necessárias para ajudar a garantir um coração saudável não são invasivas e podem ser realizadas pelo seu médico durante o exame físico de rotina. Quando realizados em intervalos recomendados e com a história familiar e médica também levada em consideração, esses testes simples podem dar ao seu médico uma boa visão da sua saúde geral do coração e ajudar a protegê-lo de problemas futuros.

COM QUE IDADE VOCÊ ACREDITAR QUE DEVE COMEÇAR A FAZER EXAMES DO CORAÇÃO?

Com que idade você acredita que os exames devem começar? Trinta anos de idade? Quarenta ou até mais tarde? Se você adivinhou dentro deste intervalo, você não está sozinho. A maioria das pessoas assume que não há necessidade de visitar seu médico até que algo esteja errado. Na realidade, exames e exames regulares relacionados à saúde do coração devem começar aos 20 anos de idade, com a maioria dos testes sendo realizados a cada 2 a 4 anos. Tais medidas podem muitas vezes informar tanto o paciente quanto o médico sobre possíveis problemas cardíacos antes que ocorram graves complicações de saúde.

EXAMES NECESSÁRIOS PARA A SAÚDE DO CORAÇÃO

  1. Raio X de tórax
    A radiografia é um exame superficial, para uma primeira análise, e podem ser necessários outros exames para avaliar melhor o coração com maior definição, se o cardiologista achar necessário.
  2. Eletrocardiograma
    O eletrocardiograma não é doloroso, além de ser muito rápido, e muitas vezes, é feito pelo próprio cardiologista no consultório.
  3. A Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial, conhecido como M.A.P.A
    Todos os resultados da pressões arteriais que foram gravados serão analisadas, depois, pelo médico, e, portanto é recomendado manter as atividades normais do dia-a-dia, assim como anotar em um diário o que estava fazendo em cada horário que a pressão foi medida, pois atividades como comer, andar ou subir escadas podem alterar a pressão.
  4. O holter é um exame para avaliar o ritmo do coração durante todo o dia e à noite.
    Apesar de o período para realização do exame ser de 24h, há casos mais complicados que necessitam de 48h ou até 1 semana para investigação correta do ritmo cardíaco. Durante a realização do holter também é indicado anotar as atividades em um diário, como comer ou fazer alguns esforço, pois podem interferir nos batimentos cardíacos.
  5. Teste de esforço
    A avaliação do teste do esforço imita situações exigidas pelo corpo, como subir escadas ou uma ladeira, por exemplo, que são situações que podem causar desconforto ou falta de ar nas pessoas com risco para infarto.
  6. Ecocardiógrama
    Este exame é indolor, e não utiliza raio x para a obtenção da sua imagem, por isto, é muito realizado e proporciona muitas informações importantes sobre o coração do paciente. É, frequentemente, feito para investigar pessoas que apresentam falta de ar ao esforço e inchaço nas pernas, o que pode indicar uma insuficiência do coração.
  7. Cintilografia do miocárdio
    O cardiologista pode, ainda, decidir se este exame será realizado com ou sem estimulo de medicamentos que aceleram os batimentos cardíacos, para imitar uma situação de esforço do paciente.

Além das recomendações para aqueles em “risco normal”, os médicos vão querer ver pacientes com fatores de alto risco com mais frequência. Para alguns, esses fatores são incontroláveis e podem incluir idade, hereditariedade ou gênero. Para outros, são os elementos controláveis, como o tabagismo, a inatividade física ou a hipertensão, que garantem maior monitoramento.

Se você tem 20 anos ou mais, agora é a hora de abordar a saúde do seu coração. Cardiologistas podem ajudá-lo a entender seu risco de doenças cardíacas, monitorar a saúde do coração e fazer recomendações para manter seu coração forte a longo prazo.