(11) 3832-6401 | Whatsapp: (11) 9 9898-5120 | contato@bsresidencial.com.br

A dança beneficia os idosos de várias maneiras, tanto física quanto mentalmente. Neste novo estudo, os idosos que dançam melhoram suas habilidades motoras e muito mais.

Esta atividade é algo que pode fazer parte do dia de qualquer pessoa idosa quando modificada para atender a pessoa ou população específica.

O envelhecimento é uma parte da vida, mas isso não significa que as pessoas devam experimentar declínio físico e cognitivo como resultado. Há muitas maneiras de combater esse declínio, e uma das mais deliciosas é dançar!

Este tipo de atividade está se tornando popular devido às muitas áreas do corpo que impactam positivamente. Em um estudo de seis meses após um grupo de idosos que participaram de uma aula de dança de uma hora por semana, as seguintes mudanças positivas foram observadas sobre como a dança beneficia os idosos:

  • Melhor postura
  • Tempos de reação mais rápidos
  • Mais agilidade
  • Mentes mais nítidas
  • Melhor sensação geral de bem estar

A dança ajudou os idosos no estudo a melhorarem suas habilidades motoras e equilíbrio também. Não houve efeitos negativo cardiorrespiratórios.

O envelhecimento atual da população está enfrentando um grande número de riscos, mas as pessoas também estão mais no controle de sua saúde através da ampla disponibilidade de informações médicas.

Por exemplo, sabe-se que uma pessoa idosa que anda pelo quintal, pratica poucas atividades físicas ou cognitivas e negligencia sua dieta vai envelhecer muito mais rápido do que a pessoa que permanece ativa fisicamente e cognitivamente e se alimenta da maneira correta.

A dança é agora conhecida como uma maneira de os idosos se manterem bem ajustados em vários níveis. Essa atividade simples e universal é facilmente acessada e tem um elemento social em que a pessoas de todas as idades e culturas gostam de dançar.

Dança afeta muitas áreas do corpo, incluindo o cérebro. A combinação de coordenação cognitiva com os músculos é como um treino completo de dentro para fora. O cérebro de uma pessoa que dança deve cooperar com os músculos para criar o que é chamado de memória muscular, permitindo que a pessoa se mova com fluidez. A prática regular desse hobby pode ajudar a minimizar o risco de declínio cognitivo à medida que a pessoa envelhece.

De fato, alguns estudos mostram que a dança regular pode limitar a quantidade de tontura que uma pessoa sente, o que é outra preocupação em relação ao envelhecimento da população.

Um estudo mostrou que os bailarinos têm uma menor probabilidade de sentir tontura devido a sinais reprimidos no ouvido interno. Isso não significa que uma pessoa idosa necessite de um treinamento formal de balé, mas conseguir um melhor equilíbrio e reduzir a tontura por meio da dança é uma forma preventiva de prejudicar as quedas.

No geral, a dança dá ao cérebro e ao corpo uma estimulação saudável. Como o sangue é bombeado para o cérebro pela atividade física, o cérebro funciona melhor em geral. Além disso, com essa estimulação cerebral, há uma menor probabilidade de declínio cognitivo

Dançar é divertido e revigorante ao mesmo tempo; Ele fornece aos idosos exercícios para o corpo, combinados com a estimulação cognitiva de que precisam para permanecer “aguçados”.

A DANÇA PARA OS OSSOS

Como uma forma adicional de que a dança beneficia os idosos, o movimento constante que a dança exige pode ajudar a melhorar a saúde dos ossos, cujo declínio é outro risco de envelhecimento.

Com estimulação constante, as células ósseas se voltam continuamente, o que significa menos fragilidade e menos ossos quebrados. Idosos que levam uma vida sedentária ou mesmo aqueles que utilizam apenas os efeitos da caminhada ou exercícios menores experimentarão mais perda óssea e fragilidade do que aqueles que participam de algo tão vigoroso e estimulante quanto a dança.